Após furto, smartphones vão parar no centro de SP

Acesse:http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1127723-apos-furto-smartphones-vao-parar-no-centro-de-sp.shtml

O empresário carioca M., 40, dançava quando sentiu falta de seu iPhone em meio à multidão que se divertia ao som de música eletrônica, no Anhembi. Ele e pelo menos outras 58 pessoas saíram sem seus smartphones do Skol Sensation, no dia 2 de junho.

Aparelho é negociado a céu aberto, mas produto ‘some’ quando aparece a PM

Graças ao rastreador do aparelho do empresário, os objetos furtados foram achados no mesmo lugar: um hotel no centro de São Paulo.

A região é o destino preferencial dos aparelhos roubados ou furtados na cidade, segundo a Polícia Civil.

Smartphones furtados

 
 
Joel Silva/Folhapress

Smartphones furtados vão parar no centro de São Paulo; na foto, camelô vende aparelho no viaduto Santa Ifigênia

Folha teve acesso a boletins de ocorrências, registrados nas regiões oeste e norte da cidade, em que se constatou, graças aos rastreadores, que os smartphones foram parar nas mãos de receptadores na região central.

As áreas próximas à rua Santa Ifigênia, rua Direita e Bom Retiro são pontos de desova dos equipamentos, segundo os registros. Nesses locais, também são vendidos.

A localização dos aparelhos por meio de rastreador não é regra, já que há técnicos que conseguem desabilitar o aplicativo. Geralmente, os celulares são desligados após o crime justamente para evitar o rastreamento.

Segundo o delegado Antonio Luis Tuckmantel, do 3º DP (Campos Elíseos), os aparelhos também acabam numa “feira do rolo” itinerante no centro. “Não são quadrilhas, são ladrões de rua, que se aproveitam de um descuido e fazem furtos”, disse.

A feira ocorre na região da cracolândia, mas não tem rua nem local e horário definidos. É nessa mesma região que há um movimentado comércio de celulares de segunda mão.

Não é possível saber quantos aparelhos foram roubados ou furtados porque a Secretaria de Segurança Pública não faz estatística específica sobre isso.

Editoria de Arte/Folhapress

ESTRATÉGIAS

Antes de cair na noite paulistana, a escritora Márcia Pereira de Almeida, 36, se veste, faz a maquiagem e pega o “celular da balada”.

O aparelho, um modelo simples, substitui o iPhone comprado há poucos meses, para repor outro que foi roubado numa festa.

A estratégia é para evitar perder seu segundo aparelho.

“Perguntei à atendente da TIM se era possível obter um celular mais simples e eles me deram um. Quando vou à balada, só uso esse [o mais simples]”, contou.

Assim que foi furtada em maio deste ano na praça Benedito Calixto, em Pinheiros, zona oeste paulistana, a psicóloga Viviane Hoffman, 27, telefonou para o aparelho. Estava desligado, e ela nunca conseguiu rastreá-lo.

“Ele [ladrão] enfiou a mão na minha bolsa e tirou. Não tive chance de recuperá-lo.”

Curiosidades na internet

 

 

 

Um comentário

  1. Faltou dizer o mais importante para prevenir os furtos: não comprar esse tipo de aparelho das mãos de flibusteiros que os vendem. A culpa pelo comércio ilícito de produtos de furto não é apenas de quem furta e recepta. É também de quem compra. Existem duas pontas no crime, onde em uma delas pode haver uma pessoa que se “diz” honesta, mas quer levar vantagem, às custas dos outros. Enquanto existir o mercado, existirá a oferta

    Curtir

Os comentários estão fechados.